Terça-feira, 17 de Maio de 2022

Home em foco Estados Unidos adiam teste de lançamento de mísseis em tentativa de diminuir tensões nucleares com a Rússia

Compartilhe esta notícia:

As Forças Armadas dos Estados Unidos disseram nesta quarta-feira (2) que vão adiar um teste programado de lançamento de um míssil balístico intercontinental Minuteman III, em uma aparente tentativa de diminuir as tensões após a Rússia anunciar que colocava suas forças nucleares em alerta máximo.

“Em um esforço para demonstrar que não temos intenção de nos envolver em quaisquer ações que possam ser mal compreendidas ou mal interpretadas, o secretário de Defesa ordenou que nosso teste de lançamento de mísseis balísticos intercontinentais Minuteman III programado para esta semana seja adiado”, disse o porta-voz do Pentágono, John Kirby.

“Não tomamos esta decisão de ânimo leve, mas sim para demonstrar que somos uma potência nuclear responsável.”

Terceira guerra

Nesta quarta-feira (2), em entrevista à TV Al Jazeera, canal transmitido no Catar, o chefe da diplomacia russa comentou o que seria um conflito dessa proporção. “A terceira guerra mundial seria uma guerra nuclear devastadora”, disse o diplomata russo. Há oito dias, a Rússia faz bombardeios massivos contra os ucranianos.

Na entrevista, Lavrov defendeu que a operação militar visa desarmar a Ucrânia e impedir este país de adquirir armas nucleares. “Não podemos permitir a presença de armas ofensivas na Ucrânia que ameacem nossa segurança”, acrescentou.

Putin reuniu-se, no domingo (27), com os seus ministros da Defesa, Serguei Choigu, e do Estado Maior, Dmitry Yuryevich Grigorenko, no Kremlin. No encontro, o mandatário ordenou que os ministros colocassem as forças nucleares em “regime especial de alerta”, conforme divulgado pela agência de notícias russa Tass.

A declaração de Lavrov foi concedida horas antes de uma reunião emergencial em que a Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou resolução contra a Rússia e o seu presidente, Vladimir Putin, pela invasão e pelos bombardeios na Ucrânia. Dos 193 países, 141 votaram a favor, cinco contra e 35 se abstiveram. Eram necessários dois terços para a aprovação. Esta é mais uma da série de sanções que a comunidade internacional tem aplicado contra a Rússia, na tentativa de conter o embate.

O conflito parece não ter fim. A reunião entre representantes da Ucrânia e da Rússia, até então marcada para esta quarta-feira (2), com o objetivo de chegar a um acordo de cessar-fogo nos confrontos do Leste Europeu, acabou adiada. Esta seria a segunda vez que os dois países se sentariam à mesa de negociação. A primeira reunião fracassou. Ainda não foi divulgada data para nova conversa.

Avanço russo

A Rússia intensificou a ação de suas tropas e já pressiona ao menos 16 cidades ucranianas. Essas províncias sofrem bombardeios massivos, para viabilizar a tomada de poder pelo Exército do presidente Putin.

Nas últimas horas, Kiev, Kharkiv, Kherson e Mariupol enfrentaram as situações mais dramáticas. Civis são o alvo da ação militar, e a Ucrânia já fala em 2 mil mortos.

O Exército russo ampliou o megacomboio que cercará Kiev, capital ucraniana e centro do poder do país. As tropas, que cobrem um extensão de 64 quilômetros, aproximam-se da cidade.

O megacomboio é formado por tanques, peças de artilharia, veículos de transporte, contêineres com armas e outros equipamentos de logística militar. O grupo está ao redor do aeroporto de Antonov, distante 25 quilômetros do centro de Kiev.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Fundo Monetário Internacional e Banco Mundial preparam pacote de crédito à Ucrânia
Vacina da Pfizer é menos eficaz em criança pequena
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde