Terça-feira, 24 de Maio de 2022

Home em foco Vacina da Pfizer é menos eficaz em criança pequena

Compartilhe esta notícia:

A eficácia da vacina contra a Covid-19 da Pfizer para crianças diminuiu rapidamente durante o surto da variante Ômicron. De acordo com novos dados do Departamento de Saúde de Nova York, a redução aconteceu especialmente entre crianças de 5 a 11 anos, mas ainda o imunizante manteve a proteção contra doença grave.

Um mês após a vacinação com as duas doses, a eficácia da Pfizer contra a infecção causada pela variante Ômicron caiu de 68% para apenas 12% nas crianças mais novas aptas para a vacinação, aquelas de 5 a 11 anos.

A eficácia contra a hospitalização nessa faixa etária foi maior, mas também caiu substancialmente, passando de 100% no início de dezembro para apenas 48% no final de janeiro.

“Os dados não são surpreendentes, pois a vacina foi desenvolvida em resposta a uma variante anterior da Covid-19 e a eficácia reduzida de duas doses contra a variante Ômicron foi observada até certo ponto com todas as vacinas e idades”, disse a comissária de Saúde do estado de Nova York, Mary Bassett, em um comunicado publicado online.

“É fundamental enfatizar que a vacinação ainda é recomendada para todos com cinco anos ou mais, incluindo crianças de 5 a 11 anos. Incentivo os pais e responsáveis ​​a consultar seu pediatra sobre a vacinação de seus filhos, e o reforço se for elegível, o mais rápido possível”.

Crianças de 5 a 11 anos recebem uma dose da vacina da Pfizer que é de 10 microgramas, um terço da dose administrada a crianças e jovens de 12 a 17 anos.

O estudo também revelou que, embora a eficácia da vacina também tenha caído para crianças mais velhas e adolescentes, a redução ocorreu mais lentamente do que para alunos do ensino fundamental. Para qualquer manifestação causada pela Covid-19, a eficácia da vacina diminuiu de 66% no início de dezembro para 51% no final de janeiro para crianças de 12 a 17 anos. Para hospitalizações, a eficácia da vacina caiu de 85% para 73% no mesmo período.

Os dados foram publicados nesta semana como um estudo preprint no servidor medRxiv. Os preprints são artigos que não foram revisados ​​por especialistas externos ou aceitos para publicação em uma revista médica.

Os autores concluíram que, se outros estudos repetirem esses achados, a dose da vacina para crianças mais novas pode precisar ser revisada. Os autores também afirmaram que os dados podem demonstrar a necessidade de continuar “proteções em camadas, incluindo o uso de máscaras, para prevenir infecção e transmissão” em crianças menores.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA estão coletando seus próprios dados sobre a eficácia da vacina em crianças, que devem ser divulgados em breve.

“As vacinas da Covid-19 da Pfizer e da Moderna continuam a oferecer altos níveis de proteção contra doença grave, hospitalização e mortes em todas as faixas etárias, apesar da diminuição da eficácia apenas contra a infecção durante a onda da Ômicron”, afirmou a agência em comunicado.

“O CDC continua monitorando e avaliando os dados sobre a eficácia da vacina à medida que se tornam disponíveis, mas essas vacinas funcionam bem e são a melhor ferramenta que temos para evitar resultados graves”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Estados Unidos adiam teste de lançamento de mísseis em tentativa de diminuir tensões nucleares com a Rússia
Saiba quem são os oligarcas russos e qual o papel deles no conflito
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde