Domingo, 07 de Agosto de 2022

Home Mundo EUA e Rússia ordenam retirada de funcionários de suas embaixadas na Ucrânia

Compartilhe esta notícia:

Os Estados Unidos ordenaram neste sábado (12), a retirada de seus funcionários não essenciais de sua embaixada em Kiev, enquanto oficiais de inteligência ocidentais alertam que uma invasão russa à Ucrânia deve ocorrer a qualquer momento. Ao mesmo tempo, a Rússia confirmou os relatos da mídia de que estava retirando sua própria equipe diplomática da Ucrânia, citando “possíveis provocações do regime de Kiev e de terceiros países”

“Hoje, o Departamento de Estado ordenou que funcionários não essenciais dos EUA na embaixada saíssem devido a relatos contínuos de um aumento militar russo na fronteira com a Ucrânia, indicando potencial para uma ação militar significativa”, disse a embaixada no Twitter.

Um pequeno número de funcionários pode permanecer em Kiev, mas a grande maioria dos quase 200 americanos na embaixada será enviada ou realocada para o extremo oeste da Ucrânia, perto da fronteira polonesa, para que os EUA possam manter uma presença diplomática no país. O Departamento de Estado não quis comentar o assunto.

Mais cedo, a porta-voz da diplomacia russa já havia comunicado a redução de pessoal em sua embaixada em Kiev. “Temendo possíveis provocações do regime de Kiev ou de países terceiros, decidimos, de fato, por fazer uma certa otimização do pessoal das representações russas na Ucrânia”, disse Maria Zakharova, respondendo a uma pergunta de jornalistas sobre a redução de sua presença no país vizinho.

Zakharova disse que a medida foi uma resposta à crescente lista de outros governos decidindo retirar seu corpo diplomático e instando seus cidadãos a sair. “Concluímos que nossos colegas americanos e britânicos aparentemente sabem sobre algumas ações militares sendo preparadas na Ucrânia”, disse ela, segundo comunicado do ministério.

O Departamento de Estados dos EUA já havia ordenado que famílias de funcionários da embaixada dos EUA em Kiev saíssem. Mas deixara a critério do pessoal não essencial se quisessem partir. As autoridades, que falaram sob condição de anonimato à agência Associated Press, disseram que um pequeno número de diplomatas dos EUA pode ser realocado para o extremo oeste da Ucrânia, perto da fronteira com a Polônia, um aliado da Otan, para que os EUA possam manter presença diplomática no país.

Um ministro da Defesa britânico júnior disse também neste sábado que os treinadores militares do Reino Unido na Ucrânia partiriam no fim de semana. “Não haverá tropas britânicas na Ucrânia se houver algum conflito com a Rússia”, disse James Heappey à Sky News.

Escalada nas tensões

As tensões entre Rússia e a Otan naa Ucrânia vêm crescendo desde novembro devido ao aumento da atividade militar russa na região. O Kremlin concentrou cerca de 130.000 soldados fortemente armados ao redor da Ucrânia, da qual anexou a Crimeia em 2014. Moscou também está realizando exercícios navais perto da costa sul da Ucrânia continental, bem como uma grande operação de treinamento em Belarús – a pouca distância de Kiev – que os analistas alertam que pode ser um precursor de uma invasão.

Na sexta-feira (11), o governo americano afirmou que a Rússia pode invadir a Ucrânia nos próximos dias. Segundo o assessor de segurança nacional do presidente Joe Biden, Jake Sullivan, uma invasão pode ocorrer na semana que vem ou até mesmo no fim de semana. Sullivan disse ainda que não há informações se o presidente Vladimir Putin já tomou a decisão, mas a inteligência americana trabalha com um cenário de uma ocupação rápida da capital, Kiev.

Neste sábado, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, conversam por telefone. Biden também realizou uma videochamada na sexta-feira com os líderes dos aliados ocidentais, incluindo o chanceler alemão Olaf Scholz , o primeiro-ministro britânico Boris Johnson e o presidente francês Emmanuel Macron.

As autoridades disseram estar comprometidas com a diplomacia, mas alertaram para “consequências enormes e custos econômicos graves” que seriam impostos à Rússia em caso de ataque, de acordo com uma leitura da Casa Branca.

A Rússia nega que planeja atacar a Ucrânia, uma ex-república soviética cada vez mais pró-ocidente que Putin considera parte de sua esfera de influência. “A histeria da Casa Branca é mais reveladora do que nunca. Eles precisam de uma guerra. A qualquer preço”, escreveu Zakharova no Telegram.

O presidente ucraniano Volodmir Zelenski se reuniu na sexta-feira com seu Conselho de Segurança e Defesa Nacional para revisar a prontidão militar e diplomática. Seu governo, que tentou conter as previsões de um ataque iminente, procurou tranquilizar os cidadãos de que a Ucrânia “permanece estável e pronta para vários cenários de eventos”, segundo um comunicado do Ministério das Relações Exteriores.

“No momento, é extremamente importante manter a calma, consolidar dentro do país e evitar ações que prejudiquem a estabilidade e semeem pânico”, disse o ministério.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Ministério Público denuncia guarda municipal por estupro de adolescente em Camaquã
Fornecedor de 55% das vacinas aplicadas em crianças, Butantan tem milhões de doses paradas
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde