Quinta-feira, 19 de Maio de 2022

Home Saúde Fiocruz pode ajustar vacina nacional para Ômicron e crianças

Compartilhe esta notícia:

Depois de receber o aval para o uso do IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo) nacional na fabricação da vacina contra Covid-19, a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) espera os resultados de experimentos científicos feitos no Reino Unido para saber se conseguirá usar a fórmula para imunizar crianças e adolescentes e também se a vacina terá algum tipo de adaptação à variante Ômicron do coronavírus.

Até o momento, os desenvolvedores do imunizante não receberam nenhum sinal negativo: nem de que a vacina seria ineficaz contra a Ômicron e nem que não poderia proteger crianças e adolescentes.

Por enquanto, os estudos mostraram que, diante do avanço de variantes, mais doses eram necessárias. Para a formação genética original do coronavírus, uma dose tinha alta efetividade.

Na variante delta, esse mesmo nível de efetividade precisava de quantidade maior de resposta que era dada pela segunda dose. Neste momento, os dados apontam que a terceira dose da mesma vacina produz eficácia contra a variante Ômicron. O vice-presidente de Produção e Inovação da Fiocruz, Marco Kriger, no entanto, afirma que isso não significa que uma adaptação não possa dar resultado importante.

No Brasil já há estudos clínicos com novas formulações da vacina da AstraZeneca – a que no Brasil é produzida pela Fiocruz. É possível que as respostas venham num futuro próximo. Krieger estima que, se uma nova fórmula for mais potente, essa sinalização deve vir em fevereiro.

Em março, portanto, já seria possível produzir uma vacina ajustada com IFA nacional. Até lá, são conduzidos estudos clínicos, de segurança e equivalência de resposta imune com a atual formulação e novos formatos da vacina.

Crianças e adolescentes

A Fiocruz espera ainda a resposta dos testes científicos em Oxford para entender qual o impacto da vacina em crianças e adolescentes. A presidente da fundação, Nísia Trindade, confirmou a expectativa. “A AstraZeneca no Reino Unido vem realizando estudos clínicos para a vacina pediátrica, então estamos aguardando essa conclusão. É uma possibilidade”, disse ela.

Com isso, está no radar da Fiocruz a ampliação da entrega de vacinas ao Ministério da Saúde caso o sinal da Europa seja positivo. Hoje o compromisso é de 120 milhões de doses no primeiro semestre entregues à pasta.

Krieger afirma que a fundação tem capacidade para chegar a 300 milhões de doses entregues no ano de 2022. Isso significaria dobrar a produção, já que ao longo de todo ano de 2021 foram remetidas ao governo federal, 153,2 milhões de doses.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Governo planeja voltar atrás em veto a renegociação de dívidas de MEIs, micro e pequenas empresas
Rio Grande do Sul é o único Estado a descentralizar todas as Farmácias de Medicamentos Especiais
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde