Domingo, 03 de Março de 2024

Home em foco Mesmo em baixa, Arthur Lira ainda é visto como favorito à reeleição na presidência da Câmara dos Deputados

Compartilhe esta notícia:

Até os políticos mais fiéis a Arthur Lira (PP-AL) creem que o presidente da Câmara dos Deputados avançou o sinal quando passou a negociar espaços no governo Lula em nome de aliados. Com a reeleição tratada como “consolidada”, após o apoio de cinco partidos (PP, PL, Republicanos, União Brasil e PSD), Lira passou a buscar cargos para nomes de sua confiança, como Elmar Nascimento (União-BA).

O troco veio com as decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) que, segundo leem membros do Centrão, foram abençoadas por Lula. Mas nem no PT se espera que isso signifique que o futuro presidente vá se arriscar em lançar um concorrente na Câmara. A avaliação é que, mesmo sem o orçamento secreto, Lira é o favorito, e o PT não tem um competidor pronto.

Antes da decisão de Ricardo Lewandowski na última segunda-feira (19), o presidente do PP, Ciro Nogueira, vinha dizendo que Lira tem cerca de 270 votos e que não depende do orçamento secreto para ser reconduzido.

O Ministério da Saúde – então cobiçado por aliados de Lira – “subiu no telhado”, segundo admite um apoiador dele. Mas pior ficou para o União Brasil, o mais desorganizado dos partidos que desejam ingressar na base de Lula, que agora terá de lutar sozinho por espaço no futuro governo.

Ainda que mantenha o apoio para a sua recondução, Lira pode perder o controle sobre a divisão dos poderes na mesa diretora. Com o pêndulo se movendo para Lula e o PT, por meio da distribuição de cargos – e não mais pelo orçamento secreto –, partidos como o União cogitam se somar à sigla e ao MDB para avançar sobre o PL.

A pior vingança de Lira, segundo petistas: dividir os quase R$ 20 bilhões do orçamento secreto de 2023 por parlamentar, por meio de emendas individuais impositivas. Cada um dos 513 deputados teria ao seu dispor mais de R$ 100 milhões (somando as atuais emendas), de pagamento obrigatório, e ainda com a possibilidade de enviar 50% aos redutos políticos por meio de transferências especiais – um pix que cai direto na conta da prefeitura.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Ministério Público Federal faz recomendação às polícias e ao Exército por total segurança na posse de Lula
Sem transparência e com cifras bilionárias, o orçamento secreto, instrumento criado no governo Bolsonaro, foi usado em troca de apoio no Congresso
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Madrugada