Domingo, 28 de Novembro de 2021

Home Brasil Ministério da Saúde reduz intervalo entre doses da vacina AstraZeneca de 12 para 8 semanas

Compartilhe esta notícia:

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou nesta sexta-feira (15), por meio das suas redes sociais, a redução do intervalo entre as doses da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford.

A partir de agora, segundo Queiroga, o intervalo entra a primeira e a segunda dose da vacina foi reduzido de 12 semanas para 8 semanas. Alguns Estados e capitais já se anteciparam e adotaram o prazo menor para a segunda dose da AstraZeneca.

Segundo a pasta, foram enviadas doses para concluir o ciclo vacinal de todas as vacinas ofertadas em todo o País. No total, foram disponibilizadas a estados e municípios 310 milhões de doses.

Tiveram o ciclo vacinal concluído até esta sexta-feira (15) 103,7 milhões de pessoas. A população vacinável, com 12 anos ou mais no País, soma 180 milhões de pessoas. Já 150,7 milhões tomaram ao menos a primeira dose.

Segundo o Ministério da Saúde, a nova etapa da campanha de vacinação contra a covid-19 envolve a conclusão do ciclo vacinal de quem recebeu a primeira dose do imunizante da Pfizer e as doses de reforço para idosos, imunossuprimidos e profissionais de saúde.

Um desafio dentro dessa fase é regularizar a situação de quem tomou somente a primeira dose. Segundo o Ministério da Saúde, 19,3 milhões de pessoas estão com a dose atrasada para a conclusão do esquema vacinal.

Nesta etapa da campanha de vacinação, o ministério envia vacinas para serem utilizadas como dose de reforço da população acima de 60 anos, pessoas imunossuprimidas e profissionais de saúde, além da imunização de adolescentes com comorbidades.

De acordo com o ministério, também serão enviadas, nas próximas distribuições, doses da Pfizer para completar o esquema vacinal, respeitando o intervalo de 8 semanas.

Mix de vacinas

A baixa disponibilidade de estoques da vacina AstraZeneca levou gestores a utilizarem o imunizante da Pfizer para aplicar a segunda dose. Chamada de mix de vacinas ou intercambialidade, a decisão é apontada como eficiente para prevenir casos graves e mortes, mas causou problemas burocráticos diante de um impasse do Ministério da Saúde.

O ConecteSUS, aplicativo oficial do Ministério da Saúde, passou a exibir um alerta para oficializar que os brasileiros que tomaram mix de vacinas não podem emitir o Certificado Nacional de Vacinação Covid-19.

“O Ministério da Saúde ainda não permite emissão do certificado para esses casos”, informa o texto do alerta no app gerenciado pelo governo federal.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Acusado de matar Marielle Franco girou 630 mil reais com negociação de armas
Quatro entre 10 pacientes graves com covid na Prevent Senior morreram
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde