Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2022

Home em foco Ministro do Supremo Dias Toffoli envia ao plenário ação que pretende impedir ataques de Bolsonaro à imprensa

Compartilhe esta notícia:

Em razão da relevância da matéria, o ministro Dias Toffoli, do STF (Supremo Tribunal Federal), decidiu submeter a julgamento definitivo, sem prévia análise de liminar, a ADPF (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental) 897, em que a Rede Sustentabilidade pede que a Presidência da República garanta os meios necessários para assegurar o livre exercício da imprensa e a integridade física de jornalistas que fazem a cobertura dos atos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Com base na legislação, o ministro requereu informações da Presidência da República, a serem prestadas no prazo de 10 dias. Em seguida, devem se manifestar, sucessivamente, AGU (Advocacia-Geral da União) e a PGR (Procuradoria-Geral da República), no prazo de cinco dias para cada órgão. O despacho do ministro foi assinado no último dia 4.

Condutas violentas

O partido decidiu apresentar a ação após as agressões de seguranças a jornalistas na cobertura da participação de Bolsonaro na reunião de cúpula do G-20, realizada em Roma, na Itália.

Segundo a Rede, Bolsonaro teria, em diversas ocasiões, manifestado desprezo pela liberdade de imprensa, “ao ameaçar fisicamente, constranger, difamar, inviabilizar a segurança no exercício da atividade jornalística e incentivar comportamento violento contra os profissionais da imprensa”. Esse comportamento seria incompatível com o exercício do cargo de chefe de Estado e chefe de Governo e incentivaria condutas violentas contra a imprensa por seus apoiadores, que estariam repetindo seus ataques.

O partido argumenta, ainda, que o presidente da República teria o potencial de incentivar comportamentos de outras pessoas, pelo que “qualquer cidadão que apoie pretensões autoritárias pode se sentir convidado a externalizar, inclusive de modo violento, como vem ocorrendo em diversas ocasiões”.

Entre outros pedidos, a Rede requer que seja determinado à Presidência da República que apresente um plano de segurança para garantir a integridade física dos profissionais da imprensa que acompanham a rotina presidencial.

No mérito, o partido também pede “a confirmação dos pedidos liminares e a declaração de inconstitucionalidade dos atos praticados pelo Presidente da República em ofensa ao exercício da liberdade de imprensa”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Aulas presenciais no Rio Grande do Sul reiniciam nesta segunda
Seguradora deve cobrir acidente de motorista com baixo teor alcoólico
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa