Segunda-feira, 22 de Abril de 2024

Home Política Motoristas de aplicativos: governo federal vai propor jornada máxima de 12 horas com remuneração mínima

Compartilhe esta notícia:

O projeto de lei que o governo deve enviar ao Congresso na próxima semana para regulamentar o trabalho de motoristas por aplicativo estabelece que a jornada máxima do trabalhador será de 8 horas diárias – podendo chegar a 12 horas se houver acordo coletivo.

O projeto, por enquanto, será enviado para regulamentar apenas o transporte de passageiros, em aplicativos como Uber e 99. O governo ainda não conseguiu acordo com empresas como Rappi e Ifood, focadas no transporte de alimentos e encomendas.

O texto, que deve ser assinado na próxima segunda-feira (04) pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, também prevê: que seja criada uma nova categoria profissional, chamada de “trabalhador autônomo por plataforma”; que o trabalhador escolha quando quer trabalhar e não tenha vínculo de exclusividade com as plataformas; que haja sindicato patronal e de trabalhadores, acordo e convenção coletiva, como já existe com as demais profissões regulamentadas; que o trabalhador possa acessar os dados e critérios que regem a oferta de viagens e a “pontuação” dos trabalhadores nos aplicativos, as regras de suspensão e exclusão das plataformas e as fórmulas para calcular o rendimento das corridas.

Remuneração mínima

O projeto prevê ainda uma “remuneração mínima” para os motoristas de aplicativos, além do ganho variável gerado pelas corridas.

Essa remuneração terá de atender a alguns critérios: precisa ser reajustada anualmente, pelo menos, na mesma medida do reajuste do salário mínimo; tem de considerar os gastos dos motoristas com combustível, impostos, celular, seguro automotivo e depreciação do veículo; o projeto propõe um valor de R$ 32,09 por hora trabalhada – sendo R$ 8,02 relativos ao trabalho e R$ 24,07 relativos ao ressarcimento dos custos da operação; não pode servir como critério para a empresa diminuir a oferta de viagens ao motorista (por exemplo, se a empresa verificar que o trabalhador já atingiu certo patamar de salário).

O projeto também cria regras para que os motoristas tenham direito à Previdência Social. Com base no chamado “salário de contribuição” (25% do valor bruto pago ao trabalhador), a contribuição ficaria assim: um desconto de 7,5% sobre o salário do trabalhador, observado o limite máximo do regime geral; uma complementação de 20% por parte da empresa, calculada em cima do mesmo valor-base.

O texto é fruto de uma negociação entre o Ministério do Trabalho, chefiado por Luiz Marinho, e os próprios representantes dos aplicativos no Brasil. Se o texto for aprovado pelo Congresso, os motoristas por aplicativo serão uma categoria autônoma, ou seja, sem vínculo pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

Prioridade do governo

Desde que assumiu o governo, Lula colocou como uma das suas prioridades garantir direitos trabalhistas para os trabalhadores de aplicativos – na busca de criar uma rede proteção social mínima para essa categoria. Em 2023, foi criado um comitê incluindo trabalhadores e empresas para debater o tema.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

“75% dos focos de dengue estão dentro de casa”, diz a ministra da Saúde em Dia D de combate à doença
Gurias do Inter concluem a semana de trabalho para a estreia no Brasileirão
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Madrugada