Quarta-feira, 24 de Julho de 2024

Home em foco Na CPMI do 8 de Janeiro, o general Heleno chama deputada trans de “senhor”; Duda Salabert rebate: “É senhora”

Compartilhe esta notícia:

A deputada transexual Duda Salabert (PDT-MG) rebateu o ex-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) general Augusto Heleno após ter sido chamada de “senhor” na sessão que ouviu o militar na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de Janeiro nessa terça-feira (26). Ao ameaçar processá-la, Heleno usou o gênero masculino para se referir à parlamentar, que o corrigiu: “É senhora”.

Salabert questionou a atuação de Heleno em uma missão de paz brasileira no Haiti, em 2004, em que ele supostamente teria coordenado uma operação que resultou na morte de dezenas de crianças. O general negou as acusações e disse, tratando-a no gênero masculino, que iria processar a deputada.

“Essa afirmativa é mentirosa. Estou querendo proteger Vossa Excelência. Se eu quiser, vou para a Justiça e processo o senhor, e coloco o senhor na cadeia”, disse Heleno. A parlamentar do PDT rebateu o ex-chefe do GSI: “É a senhora, e não vem me ameaçar não”.

Em seguida, Salabert disse que Heleno deveria ser preso após a oitiva em que participa como testemunha. “Se há justiça no Brasil, e se de fato houver justiça no Brasil, o senhor será preso no final desta CPI”, disse.

O deputado Abílio Brunini (PL-MT) a interrompeu dizendo que o presidente da CPMI, Arthur Maia (União-BA), deixava a parlamentar “falar asneiras e imputar crimes”. Maia então ordenou a saída do parlamentar e suspendeu a reunião.

No retorno da sessão, Salabert disse que Heleno pediu desculpas durante o intervalo. “Só explicitando e publicizando, o general, quando entrei na sala, pediu desculpas por ter me tratado no masculino. Só dizer que a minha posição, você (Augusto Heleno) pode me perguntar quando eu sair e eu vou dizer que não é essa questão a mais relevante, porque é de esfera pessoal. O que a gente está discutindo aqui é algo muito maior”, disse a deputada.

“Fantasia”

Em seu depoimento, o general Augusto Heleno classificou como “fantasia” a delação premiada do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens da Presidência, que relatou à Polícia Federal detalhes de uma reunião do então presidente Jair Bolsonaro com a cúpula das Forças Armadas para discutir a possibilidade de um golpe de Estado com o objetivo de impedir a posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Não existe um ajudante de ordens sentar numa reunião com comandantes das Forças. Isso é fantasia”, disse Heleno, ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) na gestão Bolsonaro, durante depoimento nessa terça (26), à CPMI.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

General Heleno diz que devolveu relógio da marca Rolex recebido em viagem de comitiva de Bolsonaro ao Oriente Médio
Conselho Nacional de Justiça muda critérios de promoção por merecimento para ampliar número de juízes na 2ª instância
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News