Sexta-feira, 20 de Maio de 2022

Home em foco No Casaquistão, Putin aproveita a turbulência para expandir sua força

Compartilhe esta notícia:

Há muito adepto de fomentar a agitação no Ocidente, o presidente Vladimir Putin, da Rússia, enviou tropas ao Casaquistão, nação da Ásia Central, para tentar extinguir o mais recente de uma série de incêndios perigosos que ameaçam engolir as terras da ex-União Soviética, que Moscou vê como sua esfera de influência.

Mas se a turbulência no Casaquistão mais uma vez expôs a vulnerabilidade dos líderes fortes em quem o Kremlin confiou para manter a ordem, também deu à Rússia mais uma oportunidade de reafirmar sua influência em seu antigo domínio soviético, um dos mais queridos objetivos de longo prazo de Putin.

A chegada ao Casaquistão de 2.500 soldados de uma aliança militar liderada pela Rússia em meio a contínuos espasmos de protestos violentos foi a quarta vez em apenas dois anos que Moscou flexionou seus músculos em Estados vizinhos – Belarus, Armênia e Ucrânia sendo os outros três – que o Ocidente há muito tempo tenta cortejar.

O espetáculo de um país como o Casaquistão “que parece grande e forte” caindo em desordem tão rapidamente veio como um choque, disse Maxim Suchkov, diretor interino do Instituto de Estudos de Relações Internacionais de Moscou. Mas também mostrou como, com exceção da Ucrânia, nas ex-repúblicas soviéticas que tentaram equilibrar o Oriente e o Ocidente, “boom, você tem uma crise e eles se voltam para a Rússia”. E uma vez que as tropas russas chegam, elas raramente, ou nunca, voltam para casa.

Suchkov disse que a agitação no Casaquistão pode ser vista como uma “crise séria que a Rússia está interessada em transformar em uma oportunidade”. No entanto, muitos questionam quantos incêndios podem surgir em torno das fronteiras da Rússia antes que um semelhante aconteça em casa.

“Se algo assim pode acontecer no Casaquistão”, disse Scott Horton, professor de direito na Universidade de Columbia que aconselhou autoridades no Casaquistão e em outros países da Ásia Central ao longo de duas décadas, “certamente pode acontecer na Rússia”.

Outros analistas dizem que por mais que Putin se delicie com a agitação na Europa e nos Estados Unidos como evidência de que a democracia está sucumbindo, ele sente pouco prazer com a turbulência à porta da própria Rússia, não importa quais sejam as oportunidades de curto prazo. Não seria a primeira vez.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Corrida de carros autônomos testa os limites de veículos sem humanos ao volante
Começou o ano: é hora de voltar a se exercitar
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde