Segunda-feira, 29 de Novembro de 2021

Home em foco Pandemia afeta saúde mental de empreendedores brasileiros, indica pesquisa

Compartilhe esta notícia:

A pandemia afetou a saúde mental de parte dos empreendedores brasileiros. Uma pesquisa que ouviu 312 donos de negócios em diferentes estados do país mostra que 30,13% deles iniciaram acompanhamento psicológico durante a crise sanitária. O levantamento é da Troposlab, empresa especializada em inovação, em parceria com a Universidade Federal de Minas (UFMG).

Além disso, 53,5% dos participantes disseram ter sido diagnosticados com ansiedade, e 11,22% com depressão em algum momento da vida — em ambos os casos as avaliações foram realizadas por profissionais especializados.

Na comparação com o estudo realizado no ano passado, é possível perceber que houve uma maior quantidade de pessoas que começaram a utilizar medicamentos psiquiátricos em 2021 — 26% neste ano, enquanto 16% alegaram tomar esse tipo de medicação em 2020.

A atual edição da pesquisa mostra também que o início do uso de ansiolíticos entre empreendedores saltou de 6% para 10%, e de antidepressivos de 3% para 8%, em relação ao ano anterior.

Os resultados mostram, ainda, que as mulheres apresentam maior intensidade de sintomas severos para ansiedade (12,50%), quando comparadas aos homens (2,84%), estresse (7,35% contra 1,13%) e depressão (6,61% contra 2,84%).

“As mulheres apresentam mais sintomatologias de estresse, ansiedade e depressão em geral, não somente na população de empreendedores”, comenta Marina Mendonça, sócia e diretora de cultura e times da Troposlab.

“Muito disso poderia ser explicado pelo fato de que o risco psicossocial não é distribuído de forma igualitária para todos os grupos, e isso significa que mulheres, crianças, idosos e minorias podem estar mais expostos.”

Multi-tarefas

No caso das mulheres na pandemia, continua Mendonça, não foi muito diferente, “uma vez que tiveram que conciliar home office com homeschooling, e ainda tantos outros cuidados como cuidado com tarefas domésticas, com pais idosos, com os filhos e assim por diante”. “Tudo isso acaba gerando um estado de mais pressão, mais cobranças, mais responsabilidades e mais exaustão também.”

O estudo mostrou também que, no ano passado, 51,1% dos empreendedores tiveram a vida afetada pela pandemia, mas que se sentem bem a maior parte do tempo, enquanto 24,9% dos empreendedores afirmaram que foram muito afetados. Já em 2021, 53,31% dos respondentes sentem que foram afetados e 21,49% muito afetados.

Quanto à percepção geral dos participantes sobre a pandemia, a maioria diz considerar o ambiente mais incerto (73,72%), mas os índices de 2021 são um pouco menores do que os de 2020. Por outro lado, 77,89% afirmaram possuir habilidades para lidar com os desafios impostos pela crise sanitária, afirmação que se mantém semelhante aos dados do ano passado.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Enem não será afetado por saída de servidores, promete presidente do Inep
Estados Unidos voltam a impulsionar resultados da JBS/Friboi
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa