Terça-feira, 28 de Maio de 2024

Home Saúde Pesquisadores brasileiros criam método de detecção precoce do câncer de mama

Compartilhe esta notícia:

Brasileiros criaram um biossensor eletroquímico para detecção precoce de um tipo específico de câncer de mama. O aparelho foi desenvolvido pelo Instituto Senai de Inovação em Eletroquímica (ISI-EQ) com a BMR Medical. O projeto pode dar nova luz ao diagnóstico e ao tratamento da doença. “O biossensor eletroquímico permitirá o aumento de sobrevida e até a cura do paciente, uma vez que, quando diagnosticado em estágios iniciais, o câncer de mama pode ser curado”, explica Camila Rizzardi Peverari, pesquisadora do ISI-EQ.

A taxa de mortalidade pode ser reduzida em até 25% com o diagnóstico precoce, mas infelizmente depender de filas em hospitais públicos para consultas e exames pode impactar no tempo de espera para tomada de decisão e, consequentemente, na escolha das terapias a serem iniciadas.

Por isso, o biossensor eletroquímico desenvolvido pelo ISI-EQ e pela BMR Medical tem um enorme potencial para a área de saúde: utilizando biópsia líquida (pequena alíquota de sangue), consegue detectar concentrações muito baixas do HER2, biomarcador que identifica um tipo de câncer que tende a crescer e se disseminar mais rapidamente do que outros tipos desse câncer. A tecnologia possibilita um procedimento menos invasivo, mais rápido e mais acessível.

Tecnologia acessível

Portabilidade, custo mais baixo, agilidade e fácil manuseio por profissionais de saúde são características do biossensor. O projeto do biossensor eletroquímico para detecção de câncer de mama busca, acima de tudo, tornar a tecnologia viável para o mercado, auxiliando na tomada de decisão de médicos e levando inovação para as indústrias. No caso da BMR, que já atua na área de saúde, a execução desse projeto dá força ao negócio: “Nos dedicamos às oportunidades de desenvolver inovações com o potencial de facilitar o diagnóstico precoce. É uma grande satisfação, para nós, fazer parte desta pesquisa, que traz uma possibilidade real de tornar precoce – e acessível i o diagnóstico do câncer de mama”, complementa o CEO, Rafael Martinelli.

Ao longo de 15 meses, os cinco pesquisadores do ISI-EQ responsáveis pelo projeto contaram com a infraestrutura que o Sistema Fiep e o Senai no Paraná disponibilizam para a área de inovação. O ISI-EQ tem uma área de Smart Biosensors, com capital intelectual qualificado e experiência em projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação para diagnósticos de doenças como o câncer.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Âncora de telejornal sofre AVC ao vivo; saiba como identificar
Apple corre para liberar no Brasil a venda de iPhones sem carregador
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News