Domingo, 03 de Março de 2024

Home Saúde Quais vacinas protegem contra a ômicron e quantas doses devem ser tomadas? Veja o que se sabe

Compartilhe esta notícia:

Com o avanço da ômicron pelo mundo, pesquisadores na área da saúde têm concentrado os esforços em avaliar a melhor forma de proteção contra a nova variante do coronavírus. Os estudos que avaliaram as diferentes doses de reforço da vacina (incluindo combinações entre as fabricantes) mostraram que todas apresentaram maior eficácia para a prevenção do que o uso de apenas duas doses.

Mas em relação às variantes da doença, especialmente a ômicron, o que se sabe até agora?

O projeto britânico CoV-Boost, uma união de pesquisadores, mostrou em estudo publicado na revista médica Lancet que, além do vírus original das amostras chinesas de Wuhan, o soro dos pacientes com dose de reforço foi testado contra as variantes Beta (descoberta na África do Sul) e Delta (descoberta na Índia). A linhagem específica de vírus porém, não afetou muito o resultado das doses de reforço.

Contudo, a proteção contra a ômicron é um pouco menor do que as vacinas oferecidas contra versões anteriores do covid, mas a dose complementar ainda deve manter muitas pessoas fora do hospital.

Pesquisadores do Reino Unido analisaram o provável impacto que uma dose de reforço da vacina contra a covid terá na Ômicron, e dizem que ela pode fornecer cerca de 85% de proteção contra casos graves da doença.

AstraZeneca – Testes clínicos realizados pela Universidade de Oxford, na Inglaterra mostraram que a terceira dose da vacina AstraZeneca contra a covid aumentou significativamente a resposta imunológica à variante Ômicron em comparação com resultados de apenas duas doses.

Foi concluído que duas doses das vacinas contra covid de Oxford-AstraZeneca e da Pfizer-BioNTech induzem poucos anticorpos neutralizantes contra a ômicron. A dose extra aumenta significativamente as concentrações de anticorpos.

Pfizer – As farmacêuticas Pfizer e BioNTech declararam que duas doses da vacina podem não ser suficientes para proteger contra a infecção com a variante ômicron, mas que três doses são capazes de neutralizar a nova cepa.

Um estudo da Discovery Health, em parceria com o Conselho de Pesquisa Médica da África do Sul (SAMRC, na sigla em inglês), apontou que duas doses da vacina Pfizer contra a covid tiveram 70% de eficácia contra hospitalizações em meio ao aumento de casos da variante Ômicron da África do Sul. A pesquisa não analisou os efeitos da dose de reforço.

Coronavac – Um estudo realizado em Hong Kong, também divulgado nesta quinta, indicou que três doses da vacina CoronaVac contra a covid não produzem níveis suficientes de anticorpos para combater a variante Ômicron. No entanto, a análise revelou que a dose de reforço da Pfizer-BioNTech forneceu “níveis protetores” de anticorpos contra a Ômicron para quem tinha completado o esquema com a CoronaVac. Segundo os pesquisadores, três doses da Pfizer também são suficientes para atingir a proteção.

Janssen – Os estudos da farmacêutica Janssen sobre a eficácia das vacinas contra a Ômicron ainda estão em andamento. A empresa informou que está fazendo análises em parceria com grupos de pesquisa da África do Sul, com amostras de soro de participantes obtidas em ensaios, sobre a dose de reforço.

Além disso, a Janssen informou que pretende buscar uma vacina específica para a Ômicron, que será desenvolvida, caso seja necessário.

Moderna – A Moderna, farmacêutica americana que desenvolveu uma das vacinas contra a covid atualmente em uso nos Estados Unidos, mas não no Brasil, afirmou na segunda-feira que o imunizante aumentou a proteção contra a variante Ômicron do coronavírus, segundo testes clínicos realizados pela companhia. A dose de reforço da vacina pode aumentar anticorpos contra Ômicron em 83 vezes.

A farmacêutica deve desenvolver uma vacina específica para a variante ômicron, e espera avançar em testes clínicos no início de 2022.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Vacinação precisa avançar pelo mundo inteiro para que deixemos de ser celeiros de novas variantes, avalia cientista brasileira de Oxford
Cinco descobertas científicas de 2021 que contribuíram para uma vida mais saudável
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Madrugada