Quinta-feira, 18 de Julho de 2024

Home Saúde Saiba se água com gás engorda ou faz mal aos dentes

Compartilhe esta notícia:

Para uma parcela da população, o som da água com gás caindo no copo dá início a uma experiência muito mais satisfatória do que consumir uma “água normal”. Na sequência, ao ingerir a bebida, as bolhas de ar provocam o paladar, dando a impressão de limpeza das papilas gustativas.

O estímulo dos sentidos faz com que esse tipo de bebida seja priorizado por muita gente, e entre na conta da quantidade de água recomendada para um adulto – que fica em torno de dois litros ao dia. Mas será que a água gaseificada traz os mesmos benefícios da água sem gás? Para além disso: será que ela não traz nenhum prejuízo?

Conversamos com especialistas sobre o assunto. Mas, antes de esclarecer alguns pontos, é preciso fazer a distinção entre as diferentes “águas gaseificadas” que podem ser encontradas:

– Água mineral naturalmente gaseificada: Fontes que ficam próximas a regiões onde há aquecimento subterrâneo são capazes de produzir de forma natural essa água. Isso porque o calor produzido é tão forte que quebra as moléculas dos minerais encontrados na água, levando à formação de gases no líquido. Esses produtos apresentam naturalmente compostos de sal e enxofre.

– Água mineral gaseificada artificialmente: Aqui, por outro lado, a água passa por um processo intencional de gaseificação, no qual CO2 é adicionado ao líquido – algo que, atualmente, também pode ser feito em casa com máquinas próprias para isso. Nesse caso, como a concentração é definida pelo consumidor, indica-se cautela.

Valor nutricional

A água gaseificada tem o mesmo valor nutricional da água comum. “A água com gás não é especial por nenhum motivo. Mas, para muitas pessoas que não gostam ou não têm o costume de beber água normal, pode ser mais atraente. Ainda mais quando misturada com frutas, que é melhor do que tomar suco”, informa a nutricionista Mônica Beyruti, do Departamento de Nutrição da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso). Aliás, a mistura com frutas pode ser uma solução para abandonar o consumo de refrigerantes.

É importante lembrar, no entanto, que não é recomendado que a dose diária de água (cerca de dois litros) seja totalmente contemplada pela versão com gás. O ideal é consumir até 300 ml duas vezes na semana e, se possível, em pequenas doses ao longo do dia. É que, em excesso, o líquido pode não cair bem para o estômago.

Prejuízo aos dentes

É verdade que bebidas com o pH mais baixo, como é o caso da água com gás, podem ser corrosivas para os dentes, tornando-os mais suscetíveis a problemas como cáries, por exemplo. Mas, além de a água gaseificada não ser tão erosiva quanto um refrigerante, como mostrou um estudo de 2016 publicado no Journal of the American Dental Association, a cárie é uma doença que surge devido a uma combinação de diversos fatores.

Entre eles estão as condições dos dentes, a qualidade da dieta (sobretudo no que diz respeito à presença de açúcar) e o perfil da microbiota do indivíduo. “E tudo isso agindo em um intervalo de tempo específico”, explica a dentista Andrea Anido, membro da Câmara Técnica de Dentística do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (Crosp).

Andrea explica ainda que o dióxido de carbono da água borbulhante é convertido em ácido carbônico quando se mistura com a saliva, diminuindo o nível de pH da boca. Isso pode interferir no processo de desmineralização e remineralização dos dentes, situação que aumenta o risco de sensibilidade dentária.

“Mas se a pessoa não consumir água com gás em excesso e não usá-la para fazer bochecho, não terá alterações”, tranquiliza. Caso não queira arriscar, uma dica é consumir a água com gás próximo às refeições, já que, quando comemos, a boca produz saliva adicional, e isso pode neutralizar os ácidos na superfície dos dentes.

Outra medida interessante é aguardar pelo menos meia hora para escovar os dentes após comer e tomar água gaseificada (e outras bebidas, como sucos). Assim, dá tempo de o pH se reequilibrar, evitando prejuízos ao esmalte dentário.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Elon Musk mata o pássaro azul; entenda a mudança de logotipo do Twitter
Geração Z: jovens estão bebendo menos e preferem dormir mais cedo
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Madrugada