Quarta-feira, 18 de Maio de 2022

Home em foco “Se a Rússia invadir a Ucrânia de novo, vamos impor sanções sem precedentes”, diz vice-presidente dos Estados Unidos

Compartilhe esta notícia:

A vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, discursou durante a conferência de segurança de Munique no sábado (19) e confirmou que se a Rússia invadir a Ucrânia de novo, os EUA e os principais países da Otan irão impor sanções sem precedentes à Rússia.

“Vamos mirar nas instituições financeiras e nas principais indústrias. Estamos prontos para responder a uma possível invasão”, disse a vice-presidente americana.

“Como disse o presidente Joe Biden, os EUA, nossos aliados da Otan e nossos parceiros têm estado alerta e estão abertos à diplomacia séria. Entretanto, a Rússia diz estar aberta a conversar, mas suas atitudes não condizem com suas palavras. Moscou segue negando a diplomacia”, completou ela.

Tensões

Durante a noite de sexta-feira (18), o presidente americano Joe Biden confirmou que Putin está decidido a invadir a Ucrânia. Ele confirmou ainda que a Rússia irá atacar Kiev nos próximos dias.

“Temos motivos para acreditar que as forças russas atacarão nos próximos dias, especificamente a capital ucraniana de Kiev “, afirmou. Falando na Casa Branca, o americano disse que as notícias divulgadas ao público russo de que a Ucrânia está planejando lançar um ataque em Donbass, controlado pelos separatistas, carecem de evidências. Para Biden, essas alegações desafiavam a lógica.

“Tudo isso é consistente com a cartilha que os russos usaram antes”, disse Biden. “Isso também está de acordo com o cenário de pretexto sobre o qual os Estados Unidos e nossos aliados e parceiros vêm alertando há semanas”, continuou Biden. Ou seja, a alegação de um ataque ucraniano à região separatista do leste seria uma maneira de justificar uma invasão por parte de Moscou.

Conferência

O tema Rússia x Ucrânia se tornou o assunto central da conferência de segurança de Munique. Além de Kamala Harris, o Chanceler alemão Olaf Scholz também discursou. Em suas falas, comentou bastante sobre a instabilidade entre os dois países.

“A Rússia invadir a Ucrânia seria um erro sério. A atitude teria custos políticos, econômicos e geoestratégicos. Não há justificativa para haver mais de 100 mil tropas russas na fronteira.”, disse o líder do governo alemão. “Ainda existe uma ameaça de guerra na Europa, porém, temos indícios claros de que a Rússia continua aberta a negociar.”, completou Scholz.

Exigências

Em suas negociações com membros da Otan, o governo de Vladimir Putin apresentou uma série de exigências para diminuir a tensão militar na fronteira. Entre elas, a principal foi para que a Ucrânia nunca faça parte da aliança.

“A Rússia tornou a questão de uma possível adesão da Ucrânia na Otan como um caso armado, o que é um paradoxo, já que Putin sabe que isso não estava na nossa programação.”, disse Olaf Scholz. “Podemos responder imediatamente com sanções diretas, caso haja uma ação militar russa. Entretanto, queremos conversar.”

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Variante Ômicron causa dor com frequência em três partes do corpo
Conheça as três principais rotas que a Rússia pode usar se decidir invadir a Ucrânia
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa