Terça-feira, 28 de Maio de 2024

Home em foco Simone Tebet diz a aliados que só aceitará entrar no governo Lula se for para comandar o Desenvolvimento Social

Compartilhe esta notícia:

A senadora Simone Tebet (MDB), terceira colocada na disputa pela Presidência, disse a aliados que não aceitará outro ministério no governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a não ser o Desenvolvimento Social, pasta que abriga o Bolsa Família. Interlocutores da emedebista disseram que a senadora está irredutível: se Lula oferecer outra pasta, ela não aceitará e ficará de fora do governo petista.

A pessoas próximas, a emedebista tem dito que está nas mãos de Lula a decisão sobre seu futuro no governo. Integrantes do MDB já falam em “atraso” do petista para conversar com Tebet. Faltando duas semanas para o início do governo, os dois não se reuniram uma única vez. Agora, sem saber o que Lula decidirá, a senadora diz já ter deixado o assunto com o “destino”.

A senadora declarou a aliados que as portas para outros ministérios já se fecharam, e por isso, Desenvolvimento Social é a única opção para que ela entre de fato no governo. Segundo uma fonte que conversou com Simone, ela diz não querer “ficar num espaço de fala pequeno e amordaçada para fazer as coisas”.

Obstáculos

Integrantes do PT, como a presidente Gleisi Hoffmann, resistem a entregar a pasta do Bolsa Família para a emedebista. Uma das possibilidades ventiladas é indicá-la ao Meio Ambiente, o que Tebet descarta. Ela rejeita ocupar um cargo cobiçado pela deputada Marina Silva (Rede), de quem se tornou amiga durante a campanha eleitoral.

Interlocutores de Tebet afirmam que a indicação da senadora para o Meio Ambiente é uma manobra do PT para tirar de cena a deputada da Rede, vista por integrantes do partido como um nome radical e que incomoda o agronegócio.

Em meio a resistências do PT, Tebet conseguiu um importante aliado para ser indicada à pasta do Bolsa Família: ela passou a contar com o apoio do vice-presidente eleito,Geraldo Alckmin.

Alckmin e Tebet são amigos, e o vice-presidente eleito foi quem atuou como intermediário para inaugurar uma conversa entre a senadora e Lula. O ex-governador de São Paulo também bancou a indicação de Tebet para para o GT de Desenvolvimento Social. A área não estava entre as opções oferecidas inicialmente pelo PT a Tebet. A própria senadora pediu para integrar a área, e recebeu o aval de Alckmin.

A presença do vice-presidente eleito em um jantar com integrantes do MDB na quarta (14) foi visto como um gesto na direção da senadora. Segundo o jornal O Globo, diferentes alas do partido se reuniram na casa do ex-presidente do Senado Eunício Oliveira (CE). O encontro foi interpretado como um sinal de consolidação de Tebet como nome do partido, posição já defendida pelo presidente da sigla e deputado federal, Baleia Rossi (SP).

Plano B 

Tebet confidenciou a aliados que tem dúvidas sobre entrar ou não no governo. Ela tem sido aconselhada a andar pelo Brasil para falar de democracia e continuar sendo uma voz crítica ao bolsonarismo. Desde o fim do segundo turno, Tebet tem sido alvo de crítica petistas. Uma entrevista da senadora dizendo que Lula deveria indicar logo o ministro da Fazenda foi entendida por alas do PT como uma afronta a Lula.

Caso fique de fora do governo, Tebet já tem até planos de quais serão seus próximos passos. A senadora pretende se mudar para São Paulo, onde contará com uma estrutura da fundação Ulysses Guimarães para continuar atuando institucionalmente. O MDB também pretende dar uma estrutura para que a senadora, que ficará sem mandato a partir de 2023, continue com visibilidade ao longos dos quatro anos de mandato de Lula.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Saiba quem é Gabriel Galípolo, indicado para secretário-executivo do Ministério da Fazenda
Aliados de Lula veem chance de PEC da Transição seguir apesar do voto da ministra Rosa Weber, do Supremo, pela ilegalidade do orçamento secreto
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde