Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2022

Home Brasil Sindicato de bancários de São Paulo estuda ação coletiva contra a Caixa após vídeo de funcionários fazendo flexões

Compartilhe esta notícia:

O Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região estuda entrar com ação judicial coletiva contra a direção da Caixa Federal depois que funcionários do banco tiveram de fazer flexões em uma festa de fim de ano, sob comando do presidente da instituição, Pedro Guimarães. Para o sindicato, o fato pode configurar assédio moral.

Vídeos mostram funcionários fazendo os exercícios enquanto Guimarães faz a contagem regressiva ao microfone no palco.

O evento, realizado em Atibaia (SP), foi chamado de Nação Caixa e contou com a presença de gerentes, superintendentes e funcionários de alto escalão da companhia.

De acordo com o dirigente do sindicato e coordenador da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa, Dionísio Reis, há uma insatisfação dos trabalhadores do banco em relação à administração do banco estatal.

“A gestão desloca os funcionários a bel prazer, com mais de uma reestruturação por ano. Temos relatos da alta direção do banco sobre os destratos que ele (Pedro Guimarães) faz”, fala.

O jurídico do sindicato estuda a possibilidade de entrar com uma ação judicial coletiva contra a direção da Caixa, com o motivo principal sendo assédio moral. Ainda não se sabe por quais vias isso deverá ser feito, mas, de acordo com Reis, material referente à festa de fim de ano já foi anexado a uma denúncia feita ao Ministério Público do Trabalho (MPT) sobre assédio contra a estatal. “O assédio moral tem sido prática constante contra funcionários da Caixa”, completa Dionísio.

A Caixa informou, por meio de nota, que não se manifestará sobre o assunto.

Notificação

O MPT notificou o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, após o episódio das flexões em evento de fim de ano no interior de São Paulo ter causado “constrangimento no trabalho” aos funcionários.

O documento assinado pelo procurador Paulo Neto avisa Guimarães que esse tipo de ordem pode configurar assédio moral, que “é uma violência psicológica, tendo o condão de produzir graves consequências à saúde mental dos trabalhadores”.

“Recomenda ao senhor Pedro Duarte Guimarães, que na condição de presidente da Caixa Econômica Federal, abstenha-se de submeter os empregados do banco a flexões de braço e outras situações de constrangimento no trabalho ou dele recorrente sob pena de instauração de procedimento investigatório e adoção de medidas administrativa e judiciais cabíveis”, escreveu o procurador.

Durante o evento de fim de ano, Guimarães colocou funcionários do banco para fazer flexões. Nas redes sociais, Guimarães divulgou que ”350 principais executivos” do banco estariam presentes na cerimônia.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Auxílio Brasil torna a pasta da Cidadania o ministério com mais recursos
Anvisa pede mais dados ao Butantan para avaliar a aprovação da aplicação da CoronaVac em crianças
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News