Domingo, 21 de Julho de 2024

Home Política Apesar de indiciamento, governo Lula não pretende rifar ministro Juscelino Filho

Compartilhe esta notícia:

Apesar do indiciamento de Juscelino Filho (União Brasil), em um inquérito que investiga suspeitas de desvio de emendas parlamentares para empresas ligadas ao ministro, o governo Lula não pretende rifar o titular da pasta de Comunicações.

Segundo integrantes do governo ouvidos reservadamente pela colunista do jornal O Globo, Malu Gaspar, o entendimento dominante no Palácio do Planalto é o de que, por ora, Juscelino continua firme no cargo – a menos que haja uma mudança de entendimento na bancada do União Brasil, o que até agora não aconteceu.

Segundo relatos obtidos pelo jornal carioca, apesar do “excesso de provas”, Juscelino mantém o apoio não só de integrantes do governo Lula, mas também dos dirigentes do partido, que têm demonstrado solidariedade ao correligionário.

Depois da operação desta quarta-feira (12), tanto o líder do União Brasil na Câmara dos Deputados, Elmar Nascimento (BA), como o presidente do partido, Antonio Rueda, já deram declarações públicas dizendo ver “abuso de autoridade” por parte da PF e garantindo que o partido está “100% fechado” com o ministro.

Além disso, apontam auxiliares de Lula no Planalto, o presidente está em viagem pelo exterior, o que complica qualquer decisão mais contundente sobre as descobertas da PF. Por ora, a orientação interna no governo é fingir que nada de grave está acontecendo.

A Polícia Federal indiciou o ministro das Comunicações por organização criminosa, lavagem de dinheiro, corrupção passiva, fraude a licitação e falsidade ideológica. A investigação se debruçou sobre suspeitas de desvio de emendas parlamentares para pavimentação de ruas de Vitorino Freire (MA), no interior do Maranhão. A cidade é comandada pela irmã do ministro, Luanna Rezende.

Agora, a conclusão das investigações deve ser encaminhada à Procuradoria-Geral da República (PGR), a quem caberá decidir se apresenta ou não uma denúncia contra o ministro.

Apesar da posição do Planalto, dentro do PT cresce a avaliação de que o ministro deveria ser ejetado imediatamente do primeiro escalão do governo, já que é considerado um gestor apagado e com problemas judiciais, o que traz impactos negativos para a imagem da administração lulista.

Além disso, petistas se queixam de que o partido de Juscelino, o União Brasil, não é leal a Lula nem tem ajudado o governo em votações cruciais no Congresso Nacional.

Em nota, Juscelino contestou o indiciamento e alegou que a investigação “revira fatos antigos e que sequer são de minha responsabilidade enquanto parlamentar”. “O indiciamento é uma ação política e previsível, que parte de uma apuração que distorceu premissas, ignorou fatos e sequer ouviu a defesa sobre o escopo do inquérito”, afirmou.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Os próximos passos do governo após polêmica com leilão de arroz
Polícia Federal afirma ter identificado nova joia negociada por aliados de Bolsonaro
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News