Quinta-feira, 13 de Junho de 2024

Home em foco Estados Unidos tentam convencer a Ucrânia a retomar conversas com a Rússia

Compartilhe esta notícia:

Uma reportagem do jornal americano The Washington Post revelou que o governo dos Estados Unidos estaria tentando, através de canais de comunicação privados, convencer os líderes ucranianos a retomarem as negociações com a Rússia.

Segundo o jornal, a Casa Branca tenta persuadir Kiev a abandonar sua posição de rejeitar conversações de paz até que o presidente russo, Vladimir Putin, não esteja mais no poder.

Pessoas próximas às discussões relataram que o pedido das autoridades americanas não seria uma tentativa de forçar a Ucrânia a voltar á mesa de negociações. Ao contrário, trata-se um esforço calculado para assegurar que Kiev continue recebendo apoio internacional, em meio ao questionamento em alguns países de que o suporte dado aos ucranianos estaria fomentando uma guerra que poderá durar muitos anos ainda.

Segundo a reportagem, a tentativa americana ilustra a posição complexa da Casa Branca em relação à Ucrânia: ao mesmo tempo em que se compromete publicamente a apoiar Kiev “pelo tempo que for necessário”, Washington torce por uma resolução do conflito que abalou a estabilidade econômica mundial e gerou novos temores de uma guerra nuclear.

De acordo com o Post, as autoridades americanas compartilham da opinião de seus colegas ucranianos de que Putin não cogita levar a sério as negociações. Por ouro lado, eles avaliam que a recusa do presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, em se envolver nas conversações gera preocupação em partes da Europa, África, e América Latina, regiões particularmente abaladas pelas consequências da guerra, como o aumento dos preços dos alimentos e dos combustíveis.

“Indisposição”

“A fatiga em relação à Ucrânia é algo real para alguns de nossos parceiros”, afirmou ao Post uma das fontes anônimas da reportagem.

Um porta-voz do Departamento de Estado, porém, afirmou na última sexta-feira que “as ações falam mais alto do que as palavras. Se a Rússia está pronta para negociar, deve cessar os bombardeios e os mísseis e retirar suas forças da Ucrânia”.

“O Kremlin continua a agravar essa guerra, demonstrando sua indisposição para se envolver com seriedade em negociações desde antes da invasão da Ucrânia”.

O porta-voz lembrou as palavras ditas por Zelenski na última sexta-feira: “estamos pronto para a paz, para uma paz equitativa e justa, cuja fórmula já expressamos muitas vezes”.

Em pronunciamento à nação, Zelenski disse que “o mundo conhece a nossa posição, que é o respeito ao estatuto da ONU, nossa integridade territorial e o nosso povo”.

Jake Sulivan, assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, afirmou durante visita a Kiev que o apoio americano aos ucranianos continuará “inabalável e inflexível”, mesmo após as eleições legislativas nos Estados Unidos nesta semana.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Neymar passa por procedimento estético às vésperas da Copa do Mundo
Bonnie Tyler diz que pensava que um dos seus maiores hits não faria sucesso
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News