Quarta-feira, 24 de Julho de 2024

Home Saúde Estudo alerta que misturar bebidas energéticas com álcool pode afetar o hipocampo, área do aprendizado e memória

Compartilhe esta notícia:

Estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Cagliari e da Universidade de Catania, na Itália descobriram que misturar bebidas energéticas com álcool pode causar problemas de longo prazo na função cognitiva, aumentando as preocupações sobre os hábitos de consumo de álcool em jovens adultos.

Os experimentos foram feitos em ratos adolescentes machos que receberam álcool, bebidas energéticas ou uma mistura de ambos. Vários experimentos padrão foram então usados para avaliar a função cognitiva — incluindo exames cerebrais e testes comportamentais — até 53 dias após beber.

Esses testes revelaram que os animais que consumiram as bebidas mistas apresentaram mudanças duradouras em sua capacidade de aprender e lembrar, bem como mudanças na parte do hipocampo do cérebro — a área responsável pelo aprendizado e pela memória.

Embora os ratos que consumiram álcool e bebidas energéticas tenham mostrado inicialmente um aumento em certas métricas e funções cerebrais — incluindo um aumento em uma proteína que impulsiona o crescimento dos neurônios — esses benefícios não duraram e, com o tempo e na idade adulta, houve um declínio na capacidade cerebral.

“Nossos resultados mostram que o consumo de álcool misturado a bebidas energéticas durante o período peri-adolescente produz alterações adaptativas no hipocampo nos níveis eletrofisiológico e molecular, associadas a alterações comportamentais, que já são detectáveis durante a adolescência e persistem na idade adulta”, escrevem os pesquisadores.

Em particular, parece que a plasticidade do hipocampo pode ser afetada, prejudicando a capacidade do cérebro de se adaptar e mudar em resposta a novas informações e demandas. É uma parte crucial do funcionamento normal do cérebro.

É claro que tanto o álcool quanto as bebidas energéticas são populares entre os jovens por vários motivos – desde festas noturnas até sessões de estudo até tarde da noite – e as implicações desta pesquisa são que esses hábitos podem estar causando alguns danos a longo prazo.

Os pesquisadores afirmam que os resultados desse experimento ainda precisam ser testados em humanos e que, provavelmente, haverá diferenças entre os sexos devido a interações hormonais que eles não conseguiram explorar neste estudo. Entretanto, as descobertas sugerem que as preocupações com a saúde em relação às bebidas energéticas são justificadas.

“No geral, a análise de todo o conjunto de dados obtidos sugere fortemente que o álcool misturado com bebidas energéticas, durante a adolescência, pode ter consequências que não são necessariamente a soma daquelas observadas com etanol ou bebidas energéticas isoladamente e afetar permanentemente a plasticidade do hipocampo”, escrevem os pesquisadores.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Covid: estudo que revelou por que alguns não se contaminam é o 1º a infectar pessoas de propósito; entenda
Fiocruz alerta para alta de infecções e mortes de crianças por vírus que provoca bronquiolite
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa