Quarta-feira, 29 de Junho de 2022

Home Saúde Vacina da Pfizer para crianças: confira as reações mais comuns

Compartilhe esta notícia:

A vacina da Pfizer contra covid-19, que foi desenvolvida em parceria com o laboratório alemão BioNTech, já está sendo aplicada nas crianças brasileiras, com idade entre 5 e 11 anos.

Aprovado pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), o imunizante destinado às crianças é diferente daquele usado na campanha de vacinação para os adultos. No caso da vacina infantil, mudam a dosagem, a composição e a concentração.

Além disso, o frasco do imunizante tem uma cor diferente (laranja para crianças e roxo para adultos) para auxiliar os profissionais de saúde na hora de aplicar o imunizante.

Apesar das diferenças, o mecanismo da vacina da Pfizer para o público infantil é semelhante. Com uma tecnologia inédita, o imunizante utiliza o RNA mensageiro sintético, que auxilia o organismo humano a gerar anticorpos contra o novo coronavírus, que causa a covid-19.

Como todas as vacinas, o imunizante da Pfizer também causa reações adversas, muito embora não se manifestem em todas as crianças.

De acordo com a bula do imunizante, registrada no site da Anvisa, as reações muito comuns, que ocorrem em 10% das crianças entre 5 e 11 que tomaram a vacina, são:

— Dor de cabeça,

— Dor muscular,

— Dor no local de injeção,

— Cansaço,

— Calafrios,

— Inchaço no local da injeção,

— Vermelhidão no local de injeção.

Entre as reações comuns, isto é, quando ocorrem entre 1% e 10% dos vacinados, estão:

— Diarreia,

— Vômito,

— Dor nas articulações,

— Febre.

Além disso, as reações incomuns, que se manifestam entre 0,1% e 1% de quem tomou a vacina, são:

— Aumento dos gânglios linfáticos (ou ínguas),

— Urticária (alergia da pele com forte coceira),

— Prurido (coceira),

— Erupção cutânea (lesão na pele),

— Diminuição de apetite,

— Náusea,

— Dor nos membros (braço) e mal-estar.

Miocardite e pericardite

Casos muito raros de miocardite (inflamação do músculo cardíaco) e pericardite (inflamação do revestimento exterior do coração) foram relatados após o uso da vacina da Pfizer, segundo a bula registrada na Anvisa.

Ainda de acordo com o documento, os casos ocorreram com mais frequência em homens mais jovens e após a segunda dose da vacina e em até 14 dias após a vacinação. “Geralmente são casos leves e os indivíduos tendem a se recuperar dentro de um curto período de tempo após o tratamento padrão e repouso”, afirma a bula.

A empresa pede que, após a vacinação, o usuário esteja alerta a sinais de miocardite e pericardite, como falta de ar, palpitações e dores no peito, e procurar atendimento médico imediato, caso ocorram.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Veja o que acontece com os espermatozoides após a vasectomia
Mudança de hábito: confira quem é você na dieta
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde